Residência

Na concepção de “Deriva Afetiva” de Panmela Castro, a vida é guiada por encontros ao acaso, em um processo de se permitir flanar. Rolês aleatórios de encontros improváveis e ainda outros que já estavam escritos. Na série “Residência”, a artista permite-se  à este movimento em territórios em que é levada pela rede de afeto que desenvolve no processo de se deixar levar.